Cantor e compositor Belchior morre no RS


O cantor e compositor Belchior morreu na noite deste sábado, 29, em Santa Cruz do Rio Grande do Sul, aos 70 anos. Familiares confirmaram o falecimento, entretanto, a causa ainda é desconhecida. O corpo deve ser trazido para o Ceará ainda hoje. O sepultamento deve ocorrer em Sobral.

Professores da rede municipal de ensino de Acopiara aguardam rateio do Fundef



30 DE ABRIL, DOMINGO
Uma fonte ligada ao TCM - Tribunal de Contas dos Municípios informou ao presidente do SINDIPREMA - Sindicato dos Professores de Acopiara que a Prefeitura Municipal ainda não enviou para este órgão, o projeto, discriminando as ações que a municipalidade pretende fazer com o dinheiro que vai receber.
Um total de R$ de 56 milhões provenientes de precatórios do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef) estão retidos pelo TCM. 
De acordo com a Lei que regulamentava o extinto Fundef, o que continua prevalecendo no atual Fundeb, que o substituiu, é que pelo menos 60% de todos os recursos do fundo devem ser aplicados em remuneração de profissionais do magistério. O restante deve ser investido na remuneração dos demais funcionários da Educação, assim como na infraestrutura escolar.
Como a Prefeitura de Acopiara ainda não mandou o tal projeto para o TCM dificilmente os professores da rede municipal terão acesso ao rateio deste dinheiro. Com a palavra o prefeito municipal.

Greve com desemprego é soma negativa

Da Coluna Fábio Campos, no O POVO deste domingo (30):

A “greve geral” de sexta-feira não foi geral. Foi parcial e dependeu quase que exclusivamente dos piquetes na área de transporte.
Em Fortaleza, um milhão de pessoas usam ônibus nos dias úteis. Parar o sistema, mesmo que em partes, vai sempre causar grandes transtornos, faltas e atrasos forçados ao trabalho. Pneus furados e chaves quebradas na ignição como argumento marrento. Porém, no fim das contas, o movimento ficou aquém das expectativas.
Na manhã da sexta-feira, uma notícia estampou manchetes rivalizando com a cobertura dos eventos de rua. “População desempregada atinge recorde de 14,2 milhões”. Segundo o IBGE, são cerca de 1,8 milhão de desempregados a mais do que no trimestre de outubro a dezembro, alta de 14,9% na população desocupada. Em 12 meses, 3,1 milhões de pessoas a mais sem emprego, um aumento de 27,8%. Dramático. Convocar greves em períodos de desemprego lancinante jamais pode ser uma boa ideia. É óbvio que a preocupação maior das pessoas é se sustentar nos empregos ou arranjar um.
O movimento sindical sabe bem disso, mas a convocação responde a uma agenda política, que se tornou imperiosa para o PT e as esquerdas que orbitam em torno da sigla. Por isso, os resultados de sexta-feira precisavam ser estrondosos e grandiosos. A ideia era enfiar a estaca no peito do Drácula. No caso, o impopular Governo de Michel Temer.
O sucesso inconteste fragilizaria a base do Governo e criaria imensas dificuldades para a aprovação das reformas. Feito isso, a esquerda partiria para uma tentativa de arrancada visando a disputa presidencial de 2018. Na bolsa da política, não há jogada sem risco.
O insucesso do movimento, uma greve geral meia boca e com atos de vandalismo e agressividade podem gerar efeito contrário. Ou seja, enfraquece o protagonista da greve e deixa o Palácio do Planalto menos desconfortável para seguir adiante em seus projetos de reformas. Nesse ponto, é melhor esperar o rescaldo dos fatos para se chegar a uma leitura mais conclusiva.

Milhares de manifestantes marcham pelo clima e contra Trump em Washington